Resenha: Andre Matos em Recife


Data: 30/08/2008

Local: Clube Português do Recife

Cidade: Recife/PE

 

Bandas:

Suprema – Heavy Metal – SP

Terra Prima – Heavy Metal – PE

Andre Matos – Heavy Metal – SP

 

Resenha: Valterlir Mendes

Fotos: Valterlir Mendes

 

Quase três anos após sua última passagem por Pernambuco, na época ainda ao lado do Shaaman, o vocalista Andre Matos novamente se apresentaria em terras pernambucanas.

 

O dia 30 de agosto começou bem ensolarado e bem quente, e isso era o que se esperava durante todo o dia, e uma noite com céu aberto, porém ao iniciar a noite uma forte chuva começou a cair na capital pernambucana, o que sempre é um fator negativo quando se tem shows de Heavy Metal na cidade. Parece que o público teme a água…

 

Por volta das 22:00 horas sobe ao palco a banda Suprema, que vem fazendo uma série de shows em Pernambuco. O show começou com um público modesto, e muitos ainda não conheciam o som da banda. Depois de uma “Intro”, mandam a faixa título do EP “Spyeyes”, uma das melhores do Suprema, o que fez a galera a ‘tomar gosto’ pela banda e começar a bater cabeça frente ao palco. Apesar de alguns problemas na sonorização, que ainda não estava ideal, a banda mostrou desenvoltura em palco e agitou bastante, principalmente o vocalista Pedro Nascimento, que não parava um som instante no palco, correndo de um lado para o outro, e se mostrando um ótimo ‘frontman’. Ainda do EP mandaram “Escape”, que logo foi seguida pela nova “Fury and Rage”. Power Metal, com nuances melódicas e algumas passagens progressivas, tudo isso com bastante peso e característica própria. Apesar de alguns samplers no meio das músicas, a banda se portou bem no palco, e nem o problema na execução de “Be Quick Or Be Dead” do Iron Maiden, que foi tocada fora do compasso, fez depreciar a apresentação dos paulistas, que inclusive teve seu nome gritado pelos presentes. O show foi finalizado com a própria “Powermind” e “Run To The Hills”, outro cover do Iron Maiden, essa sim tocada de forma magistral.

 

A segunda banda a se apresentar foi a pernambucana Terra Prima, já bastante conhecida do público pernambucano, e que já deve ao público um álbum completo. Como sempre é de costume em seus shows, abriram com “GateZzzZzz”, uma intro com toques regionais, mais precisamente do maracatu, logo seguida por “A Time to Fly”, uma das melhores músicas da banda, com bastante peso, melodia e certa velocidade, mas que foi atrapalhada um pouco devido a equalização, onde o baixo de Pedro Diniz estava muito a frente, saindo de forma ‘estourada’. Porém nada de prejudicial para a apresentação da banda, que logo em seguida mandaram a agressiva “Rage”, “New Dawn”, onde o vocalista Daniel Pinho faz uso de castanholas, dando um ‘toque espanhol’ a música, além de apresentar um ‘duelo’ entre os guitarristas Diego Veras e Otávio Mazer. O Heavy Metal melódico do Terra Prima é bem tocado, com bastante técnica e ‘malícia’, alternando peso, algumas partes mais agressivas e muita melodia, onde o momento mais ‘calmo’ foi na balada “Step by Step”. Outra boa música é “Life Carries On”, que atualmente ganhou uma nova roupagem, trazendo passagens de baião, mas a surpresa ficou para o final, quando Daniel anunciou um cover para o Metallica: “Enter Sandman”. Algo inusitado, em razão da sonoridade da banda. Porém o final foi magistral e a música foi tocada de forma perfeita. Arrancando muitos aplausos. Mais uma vez: só falta um ‘full lenght’.

 

Ajustes no palco… Algum tempo para desmontar a bateria usada pelas bandas de abertura e depois da intro “Menuett” um dos maiores vocalistas do Heavy Metal nacional sobe novamente aos palcos Recifenses. Andre Matos iniciou sua apresentação com “Letting Go” e “Rio”, ou seja, o início se deu com as primeiras músicas do seu recente lançamento “Time to be Free”. Andre, como sempre, se mostrou ‘dono da situação’ e comandava como queria o público, que gritava seu nome, cantava as músicas juntamente com o vocalista e agitava bastante. Até algumas tímidas rodas de moshes eu vi no decorrer do show! O show continuou em alta e se nota que Andre Matos está muito bem acompanhado: o versátil baterista Eloy Casagrande desempenha muito bem sua função, apesar de contar apenas com 17 anos; os guitarristas Hugo Mariutti e Andre Hernandes estão em plena sintonia, apresentando boas melodias, riffs pesados e certeiros; o baixista Luis Mariutti, apesar de um pouco parado, cumpre seu papel com maestria, e o tecladista Fábio Ribeiro também não fica pra trás, e quando Andre não assume os teclados, é dele a responsabilidade de manter os arranjos encontrados nas músicas do recém lançado álbum. Como era de se esperar o show foi marcado por músicas de toda a carreira de Andre, desde o Viper até o Shaman, passando, obviamente, pelo Angra. O show prosseguiu com “Distant Thunder” do “Ritual” (Shaaman), o primeiro ‘cover’ da noite, e a partir de então foi clássico de deixar qualquer fã ‘louco’. “Here I Am”, também do “Ritual”, veio em seguida; e quando os acordes iniciais de “Living For The Night”, uma das músicas mais conhecidas do Viper, foram tocados, ao entrar os vocais o público não deixou Andre cantar e se encarregou de cantar praticamente a primeira parte da música, onde o vocalista foi até a frente do palco e apenas se limitou a ouvir seus fãs cantando a música. Logo a seguir veio um solo de guitarra de Andre "Zaza" Hernandes, o qual não foi muito demorado e abriu espaço para “Crazy Me” do Virgo (projeto de André Matos com Sascha Paeth) e “Nothing To Say” do “Holy Land” do Angra. O público estava adorando esse revival, porém muitos esperavam as boas músicas do “Time to be Free” sendo tocadas ao vivo, então os presentes puderem ouvir a excelente música que dá nome ao álbum: “Time to be Free”. Andre se comunicava o tempo todo com o público, mostrando bastante carisma e atenção com seus fãs, que tem um carinho especial pelo vocalista. Novamente voltam a tocar os clássicos que fizeram de Andre um dos mais reconhecidos vocalistas do Heavy Metal mundial e mandam a balada “Fairy Tale”, mais uma do álbum “Ritual”, com Andre aos teclados, olhando fixamente para o público emocionado, que mais uma vez cantou a música juntamente com Andre. Mais uma dos velhos tempos: “Make Believe” do álbum “Holy Land”, a qual deu espaço para a “Endeavour”, uma das novas de Andre e que tem muitos elementos de todas as bandas que ele já passou, com muita vitalidade nos vocais. Ah, antes que eu se esqueça de comentar: Andre Matos alcança notas altíssimas! Impressionante ver/ouvir como esse cara canta. Agora era vez do solo de bateria de Eloy Casagrande (que antes do show havia feito um workshop), e logo a banda volta ao palco para tocar “Separate Ways (Worlds Apart)”, também presente no “Time to be Free, mas que na verdade é um cover do Journey. Os músicos saem do palco e depois de algum tempo voltam para executar “Lisbon” do álbum “Fireworks” (Angra), recebida calorosamente pelo público. Mais uma vez saem do palco e alguns instantes depois voltam com a apoteótica “Carry On” do “Angels Cry”, música que não pode faltar em apresentações do Angra, muito menos num show de quem a tornou famosa. Para finalizar mandaram “How Long (Unleashed Away)”, presente no “Time to be Free”, e que veio a fechar com ‘chave de ouro’ uma apresentação longa, porém que passou rapidamente, devido a qualidade apresentada pelos músicos, principalmente por Andre Matos, que soube dominar, como ninguém o público, com muito carisma e comunicação durante toda a sua apresentação; agradecendo bastante todo o apoio nos começos e re-começos de sua carreira.

 

Sem dúvida uma grande apresentação, inclusive das bandas de abertura, que cumpriu seu papel de forma correta, aquecendo o público para o show principal, que foi especial para o público pernambucano, já que Andre Matos tem sempre boas recordações daqui. O público foi razoável, talvez em razão do show do Scorpions, que ocorreria uma semana depois. A sonorização é que por vezes apresentava alguns problemas, inclusive no show principal. A acústica do local não é das melhores… O saldo final foi positivo, onde o público saiu feliz com tudo o que viu e com certeza esperando uma nova vinda de Andre Matos a capital pernambucana.

 

 

fonte: http://www.recifemetallaw.com.br/imprime.php?id=59

About Janus

Janus Aureus is my recently-inaugurated personal blog (written in portuguese, but with some texts in english as well). Fiore Rouge is my old (but still very active - in fact, more than Janus :P) blog (I started it back in 2005). Mentalize is a fan-made website (since 2005). if you wish to contact me for any reason, visit my blog and leave a comment OR see email above (top left) - no, my name's not Andre - actually, I'm not even a guy! LOL Long story... O Janus Aureus é meu blog pessoal - escrito em português - ainda sem muito conteúdo, pois foi começado no final de dezembro de 2011. Já o Mentalize foi aberto em 2005 e está escrito em várias línguas *rs* Privilegio o uso do inglês ali porque o pessoal estrangeiro não tem muitas informações sobre o AM. Quem quiser entrar em contato comigo por qualquer motivo, deixe um comentário nos meus blogs ou use o email que está aí em cima à esquerda (e não, eu não sou o Andre - aliás, sou mulher!).

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s