RESENHA – “MENTALIZE” ANDRE MATOS


 

Por: Eliel Vieira

 

Fiquei com vontade de escrever uma resenha sobre o álbum  Mentalize, segundo trabalho solo de Andre Matos, logo na primeira vez que o ouvi. Contudo, dado a alta carga de complexidade do álbum – desde sua temática até as frases de bateria nas músicas – sempre protelei esta tarefa. Como escrever resenhas sobre álbuns musicais é algo difícil, e como é mais difícil ainda escrever resenhas sobre álbuns complexos, não queria correr o risco de que minha resenha fosse um não-atrativo para as pessoas. Após alguns meses ouvindo Men talize, aqui vai minha resenha.

Sempre polêmico e criativo Andre Matos e seu grupo(1) compuseram um álbum bem particular. Em vários pontos  Mentalize é distinto dos outros álbuns de Heavy Metal que tem sido lançados. A temática do álbum mistura religião, misticismo, obscurantismo, ciência e razão – por mais antagônico que isto possa parecer ser a alguns. A capa do disco, aparentemente simples e sem muita sofisticação (2), contém o que a princípio parece ser um labirinto. Contudo, diferentemente de um labirinto tradicional que possui várias pegadinhas e do qual pouquíssimas pessoas conseguem sair, o labirinto gótico da capa de Mentalize possui apenas um caminho a se seguir, que inequivocamente conduz ao seu centro.

De acordo com o mentalizador desta ideia, Andre Matos, o labirinto representa nós mesmos, e o caminho que devemos percorrer até o centro para obtermos autoconhecimento (3). Pode-se, contudo, imaginar um milhão de coisas ao olharmos este labirinto: não raro perdermos o rumo do caminho do labirinto quando estamos o seguindo apenas com os olhos – o que poder representar a dificuldade que as pessoas têm de se autoconhecer, mesmo pensando a princípio que esta tarefa seja fácil; o encarte do CD é todo furado, formando uma espiral que coincidentemente está em sentido contrário ao sentido do labirinto, o que ajuda a nos confundir – o que pode representar os atalhos que projetamos para tentar burlar a necessidade do autoconhecimento que, ao invés de nos ajudar, apenas nos atrapalham; os furos deste atalho parecem formar uma espiral parecida com uma galáxia – podendo significar que a busca pelo autoconhecimento é universal, comum a todo ser vivente. Enfim, podem-se imaginar mil coisas ao olharmos a capa do disco.

Todos estes furinhos no encarte obviamente acarretaram um ônus: a tarefa de ler as letras das músicas no encarte tornou-se muito mais difícil do que o usual. Mas nada que tire o brilho de termos em mãos um encarte que é totalmente furado da primeira à última página.

Musicalmente falando,  Mentalize não fica para trás no que se refere a sofisticação e qualidade. No geral podemos dizer que o álbum é mais “direto” que seu antecessor, Time to be Free. A primazia de Mentalize fica com as guitarras e com os graves do baixo e da bateria, diferentemente de Time to be Free, onde as orquestrações tinham um papel de destaque bem maior nas músicas.

Diferente do usual para bandas do estilo,  Mentalize não começa com uma Intro orquestrada. A primeira faixa, Leading On, começa em um clima um tanto sombrio, com uma voz assustadora sussurrando em um tom estranho e os tribais de bateria sendo conduzidos progressivamente mais firmes por Eloy Casagrande até a aparição dos demais instrumentos e do começo da música em si. Este clima meio "Cine Trash" me lembrou bastante alguns momentos do primeiro álbum de Black Sabbath, considerado por muitos o álbum que mudou a história doRock. Como um todo Leading On lembra vagamente Nothing to Say, clássica música do álbum Holy Land, segundo da era Andre Matos na banda         Angra.

A segunda música do álbum, I Will Return começa com uns coros bastante interessantes, lembrando aqueles corais escolares que vemos em filmes americanos – com a sonoridade meio “doce”. Logo após temos a entrada das guitarras e o peso da música. E música possui bastante variações de intensidade: há momentos que temos apenas piano, momentos em que o baixo de Mariutti se destaca, momentos dos corais, momentos em que ela lembra o Heavy Metal dos anos 70 e momentos que ela parece que Gothic Rock. É uma das minhas faixas preferidas do disco.

A seguir temos Someone Else. A música também começa em um clima meio sombrio e com os instrumentos dando as caras aos poucos, não de uma vez. Andre Matos contribui com o clima sombrio cantando as primeiras frases da música com um efeito meiotras h na voz. O ponto forte desta música é seu refrão, que é bem meloso e se destaca do resto da música. Os solos de guitarra em Someone Else também são um grande atrativo, especialmente por volta dos 4 minutos de música, quando eles formam uma espécie de dueto com o fundo de piano que é executado. A quarta faixa do disco é Shift the Night Away. Depois de um dueto entre tribais de bateria e solos melosos de guitarra a música apresenta seu peso e velocidade. “Metal melódico” se encaixa perfeitamente em uma curta definição de Shift the Night Away. A melhor parte da música é lá pelos 2:30 min., quando os solos de guitarra ficam em evidência. O refrão é forte e ele combina perfeitamen- te com a voz de Andre Matos, criando um contraste muito legal com os coros dos vocais back.

Back to You é a quinta faixa. É aquele tipo de “balada progressiva” que começa calmamente e  vai aumentando a intensidade até seu ápice. Gosto deste tipo de música quando elas contêm (como é o caso de Back to You) uma letra que se assemelha a uma história, com a melodia acompanhando a história. É uma música muito criativa, progressiva, daquelas que você apresenta para sua namorada que não gosta de Heavy Metal no intuito dela se converter.

A sexta faixa do disco é a que dá nome ao álbum, Mentalize. Ela não é muito rápida, mas é a mais pesada do disco. Seu estilo combina bastante com seu conteúdo lírico: a letra fala sobre os mistérios da física quântica e do misticismo por trás destes mistérios. O conteúdo da letra é bastante especulativo e não-objetivo – e não poderia ser diferente, afinal estamos lidando com uma música, não com um compêndio de física. Nesta faixa os famosos coros (que estão presentes em todo o disco) são mais fortes e “masculinos” – bem trues! – diferente dos coros mais “doces” que vemos em outras faixas como I Will Return.

A seguir temos The Myriad. Ela curiosamente começa dando pinta que vai ser monstruosa- mente pesada: tribais na bateria e frases firmes de guitarra logo nos primeiros segundos. Porém a música não contém nada do peso que ela aparentou profetizar no seu início. A música é cadenciada quase em sua totalidade, onde as distorções das guitarras são apenas coadjuvantes de luxo. É uma música muito gostosa de se ouvir, cujas excentricidades passam desapercebidas quando a ouvimos sem lhe dar a devida atenção.

When the Sun Cried Out é a oitava faixa do disco, e uma das minhas favoritas. Ela começa bem ao estilo Nightwish, com aqueles coros “ah ah ah!” misturados com o peso das guitarras e a melodia dos teclados. Ela alterna períodos de peso e velocidade (refrão) com passagens mais cadenciadas e melódicas (estrofes e solos). Uma faixa bastante interessante.

A nona faixa do disco chama-se Mirror of Me. Eu não a odeio. Ela dá para descer. Quando coloco o álbum para ouvi-lo do início ao fim eu a escuto sem problemas. Seu problema é que, diferentemente das demais músicas do álbum, ela não tem nenhum destaque. Não há nada nela sobre o qual eu possa falar “Isto é demais nesta música”. Parece aquele tipo de faixa que foi composta durante as gravações apenas para encher o álbum. Não é uma faixa ruim – apenas normal demais.

A seguir temos Violence, a mais misteriosa faixa de Mentalize. Andre Matos deixou o seguinte desafio na entrevista que deu à revista Roadie Crew: “Isso as pessoas terão que descobrir” (4) quando foi perguntando qual era o motivo da música terminar da forma como termina. Eu tenho minha teoria pessoal sobre Violence e é baseada em duas pistas. Primeiro, a música acaba exatamente do jeito que ela começa, com uma orquestração curta e estranha, o que poderia ser uma dica de que “as coisas são como sempre são”. Esta talvez seria a sina de Violence, a vida é um ciclo que não pode ser alterado. Isto parece ser testificado pelos trechos finais da música: “All we see is flesh / longing for the next  episode of pain, cause / violence and decadence are / tragic routes that cross each other / no one cures the consequence / left behind by violence(5).

 

Esta seria a razão da musica terminar igual seu começo: a sina do ser humano pela violência é algo do qual ele não pode escapar. Enfim, é apenas uma teoria, uma proposta de resposta ao desafio deixado por Andre Matos. À parte do desafio,Violence é uma excelente faixa – uma de minhas favoritas em  Mentalize.

A Lapse in Time é a décima primeira faixa do disco e é a mais excêntrica de todas. Não tem guitarra, nem baixo, nem bateria. Apenas a voz de Andre Matos e o acompanhamento de piano. A música mostra todo o talento de Andre Matos adquirido com seus estudos de música erudita. Tem uma letra muito solitária, carregada de sentimentos. Maravilhoso!

 

Logo após a calmaria de A Lapse in Time temos a explosão de Powerstream. Uma pedrada Power Metal do início ao fim. Pesada, rápida (a mais rápida do disco) e melódica. Destaque para o  baterista Eloy Casagrande, que teve seu potencial muito bem aproveitado nesta faixa. Powerstream lembra muito Endeavour, faixa final de Time to be Free – aquele tipo de música para fechar com excelência o álbum. Como bônus track, contudo, a versão brasileira de Men talize traz ainda uma última música. A grata surpresa Don’t Despair, gravada originalmente em 1992 na primeira demo tape da bandaAn gra, Reaching Horizons. Sempre havia me perguntado por que raios esta música jamais havia sido aproveitada pelo Angra em seus álbuns posteriores. Foi ótimo ouvi-la agora em Mentalize com uma qualidade melhor do que a gravação original. Além de ser uma música excelente, o fato de Andre Matos ter a regravado tantos anos depois de sair do Angra é uma forma dele lembrar a todos que o Angra jamais estaria onde está se não fosse por ele.

 

Notas: 

 

1 Apesar de ser liderada pelo vocalista Andre Matos e se chamar “Andre Matos”, “Andre Matos” é uma banda, com vários  integrantes.

2 Quando a imagem da capa do disco foi divulgada na internet algumas semanas antes de seu lançamento, vários fãs da  banda a criticaram, considerando-a simples, tosca, rude e sem sentido.

3 Em entrevista à revista Roadie Crew, ano 12, nº 131, Dezembro/2009.

4 Roadie Crew, ano 12, nº 131, Dezembro/2009.

5 Tradução aproximada: “Tudo o que vemos é carne / esperando pelo próximo episódio de dor, porque / violência e

decadência são / caminhos trágicos que cruzam uns aos outros / ninguém cura a consequência / deixada para trás pela

violência”.

 

http://www.elielvieira.org

 

 

About Janus

Janus Aureus is my recently-inaugurated personal blog (written in portuguese, but with some texts in english as well). Fiore Rouge is my old (but still very active - in fact, more than Janus :P) blog (I started it back in 2005). Mentalize is a fan-made website (since 2005). if you wish to contact me for any reason, visit my blog and leave a comment OR see email above (top left) - no, my name's not Andre - actually, I'm not even a guy! LOL Long story... O Janus Aureus é meu blog pessoal - escrito em português - ainda sem muito conteúdo, pois foi começado no final de dezembro de 2011. Já o Mentalize foi aberto em 2005 e está escrito em várias línguas *rs* Privilegio o uso do inglês ali porque o pessoal estrangeiro não tem muitas informações sobre o AM. Quem quiser entrar em contato comigo por qualquer motivo, deixe um comentário nos meus blogs ou use o email que está aí em cima à esquerda (e não, eu não sou o Andre - aliás, sou mulher!).

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s