[ENTREVISTA] BRUNO LADISLAU: O baixista falou com exclusividade ao Arena Heavy



Bruno Ladislau é bacharel em contrabaixo elétrico e licenciado pela Faculdade Santa Marcelina. Estudou com Zuzo Moussawer, Gilberto de Syllos e Celso Pixinga, sempre visando aprimorar o seu estilo dentro das mais variadas vertentes musicais.

Em 2002 ingressou na banda Scenes from a Dream (Dream Theater Cover) permanecendo até 2007. Em 2004 participou da gravação do primeiro CD do guitarrista Denison Fernandes, chamado “Extreme Day”. Esse trabalho contou com a participação de: Kiko Loureiro (Angra), Edu Ardanuy (Dr.Sin), Joe Moghrabi e Leandro Caçoilo (Eterna). Durante o ano de 2005, fez vários shows e workshops ao lado do guitarrista divulgando seu trabalho como instrumentista professor.

No ano de 2006 ingressou na revista Cover Baixo, atuando como transcritor, colaborador nas matérias de capa e colunista até 2010. No ano seguinte participou do 1º Festival Bass Style promovido pelo Conservatório Musical Souza Lima ao lado de Felipe Andreoli (Angra), Gilberto de Syllos e Adriano Gifoni.

No ano seguinte tocou com músicos como Rafael Bittencourt (Angra) e deu inicio a banda ACLLA que tem em seu line up músicos como Denison Fernandes, Chrystian Dozza (Quaternaglia), Eloy Casagrande (André Matos) e o vocalista Tato de Luca

1) Como surgiu a vontade de tocar baixo? Como foi o começo?

Bruno: O interesse pela musica veio do contato com o Rock através dos discos do meu pai e o convívio com os meus amigos. Decidi pelo contrabaixo após assistir um show do Red Hot Chilli Pepers na casa de um colega. Na época o que mais me chamou a atenção foi a sonoridade e a postura do Flea, despertando a vontade de começar a estudar. Depois de algumas aulas, sabia que tinha encontrado o meu caminho. Passava horas tirando musicas do Iron Maiden, Metallica, Angra, Dream Theater e a cada novo desafio a necessidade de estudar cada vez mais me fez optar pela Musica como profissão. Logo após terminar o colegial, incentivado pela minha avó, ingressei na Faculdade de Musica aonde me graduei Bacharel em Contrabaixo Elétrico e Licenciatura. Durante esse período tive contato com outros estilos musicais como Jazz, Fusion, Musica Brasileira, Funk, Musica Erudita, que contribuíram bastante para o meu desenvolvimento musical, porém jamais abandonei as minhas raízes.

2) Qual foi a primeira música que você tocou no baixo?


Bruno: Hum… Acredito que foi “Run to the Hills” do Iron Maiden.

3) Quais são suas influências?

Bruno: As bandas que mais me influenciam são: Iron Maiden, Black Sabbath, Led Zeppelin, Metallica, Megadeth, Dream Theater, Angra, Sepultura, Queen, Pantera, Ozzy Ousborne, Van Halen, Mr. Big, Soilwork , In Flames, Seal, Michael Jackson, Peter Gabriel, Edu Lobo e Milton Nascimento. Agora falando dos baixistas: Steve Harris, Billy Sheehan, Tony Levin, Mike Inez, Geezer Butller, John Myung, Luis Mariutti, Zuzo Moussawer, Gilberto de Syllos, Nico Assunção e Celso Pixinga.

4) Quais bandas você já tocou?

Bruno: De 2002 a 2007 fiz parte da banda Scenes from a Dream, na qual fazíamos Cover do Dream Theater. Entre 2008 e 2009 fiz parte da banda de Power Metal Eterna. Atualmente toco nas bandas Andre Matos, Hardshine e ACLLA. Dentro do contexto Rock/Fusion instrumental, faço parte dos projetos do baterista Mauricio Leite, e dos guitarristas Mello Jr., Tiago de Moura, Denison Fernandes e Kleber K. Shima.

5) Você já fez parte de uma banda cover de Dream Theater, o que acha da atual situação da banda em relação à troca de bateristas, e o novo cd?

Bruno: Acredito que eles fizeram a melhor escolha para a banda, não só musicalmente, mas também em relação à afinidade pessoal, fato que conta muito quando temos que conviver 24 horas, sempre mantendo uma atmosfera produtiva e agradável. Com relação ao ultimo disco gostei bastante! Acho que essa formação contribuirá muito para o cenário Rock.

6) Quais as marcas de baixo você se sente a vontade de tocar em shows, workshops ou em casa?

Bruno: Tenho usado nos shows, workshops e gravações baixos N.Zaganin modelo NZ, Music Man Sterling e um Fender Jazz Bass. Além desses instrumentos trabalho como consultor de toda a linha de contrabaixos da Yamaha que são sem sombra de duvida excelentes.

7) Como foi ser o transcritor da revista “Cover Baixo” no ano de 2006?

Bruno: Trabalhei na Cover Baixo de 2006 até 2010. Durante esse período tive o privilegio de atuar como transcritor, consultor das matérias de capa, analista de equipamentos e colunista. Com certeza amadureci a minha visão sobre o instrumento, além de ter conhecido grandes baixistas que também encaram a Musica com profissionalismo.

8) Como é o seu trabalho como professor em conservatório, ou até mesmo em workshops?

Bruno: Atuo na área didática desde os meus 20 anos. Além de ministrar aulas particulares no meu Studio, Workshops e as Masterclass em Escolas e Lojas, faço parte do corpo de professores do Conservatório Musical Souza Lima. Acredito que a função do educador é despertar o interesse do aluno, sempre respeitando o gosto pessoal. Creio que o real aprendizado vem da soma de
informações, jamais através de lavagem cerebral, pois ser professor está estreitamente ligado à união de conceitos.

9) Como você se sente podendo influenciar pessoas a tocar baixo?

Bruno: Fico muito feliz! Acredito que parte da realização profissional vem de poder passar algo positivo para as pessoas, ajudando de alguma maneira elas encontrarem o seu caminho.

10) Qual a maior recompensa em que você sente ao dar uma aula?

Bruno: Para mim é muito gratificante poder ajudar o aluno a chegar ao seu objetivo. Tocar bem é como uma festa, aonde todos podem participar.

11) O que você acha do Heavy Metal Brasileiro?

Bruno: O cenário Nacional de som pesado esta passando por uma fase muito delicada. Acredito que vivemos um momento de transição, aonde não cabe mais amadorismo. Sabemos que o Brasil possui uma geração emergente muito promissora dentro do Heavy Metal. Porém o grande desafio para nós dessa nova safra é adquirirmos personalidade musical, além de se estabelecer em um mercado que esta se adaptando a uma nova realidade. Hoje em dia é necessária uma visão abrangente sobre todos os aspectos que giram em torno da musica, desde o direcionamento artístico passando pela divulgação e venda do produto. Temos que buscar uma visão empresarial, com metas, prazos e assertividade.

12) Como aconteceu o convite para você participar da banda Solo do Andre Matos?

Bruno: a pessoa que fez a ponte foi o Eloy, que além de ser um baterista único, que tenho o prazer de trabalhar em diversos projetos, é um grande amigo que confiou no meu trabalho me indicando para fazer o teste. Na época fiquei apreensivo com o convite, pois sou um grande admirador do trabalho de todos, em especial do Luis, que é um dos grandes nomes do Contrabaixo Brasileiro e uma das minhas maiores influencias. Desde o primeiro momento fui recebido com extremo carinho e respeito. Todos me deixaram a vontade para tocar as musicas da minha maneira, mas sempre me preocupei em manter as linhas próximas dos arranjos originais, pois o Heavy é um estilo que valoriza a composição.

13) Como você se sente tocando na banda Andre Matos?

Bruno: Sinto-me recompensado por toda dedicação e paixão pelo contrabaixo. Sempre estou estudando buscando me lapidar e acho que o reconhecimento é consequência de trabalho sério. Feito com amor. Para mim é um privilegio trabalhar e aprender com músicos que sempre admirei. Estou realizado!

14) Atualmente, vocês estão gravando o próximo cd da banda?

Bruno: Nos encontramos em processo de composição e pré produção do novo álbum. Estamos muito animados e focados em fazer o nosso melhor.

15) Quais são seus projetos para 2012?

Bruno: Além do novo disco do Andre Matos, sairá o primeiro trabalho da banda Hardshine, projeto que tenho com Pedro Esteves (guitarra), Anderson Alarça (bateria) e Leandro Caçoilo (Voz). Estou em constante divulgação das aulas no meu Studio e por Skype além do meu canal do YouTube que periodicamente é atualizado com vídeos com enfoque didático. Ainda para esse ano pretendo fazer um Play a Long com algumas transcrições dos trabalhos que participei.

16) Deixe uma mensagem para as pessoas que acompanham seu trabalho.

Bruno: Primeiramente gostaria de agradecer a Lizane Sabec e toda a equipe do site Arena Heavy pela oportunidade. Muito obrigado a todos que acompanham o meu trabalho! Sem o carinho e apoio de vocês nada disso teria sentido!

Espero ver todos nos shows!

Abraço!

fonte: http://www.arenaheavy.com.br/index.php?pagina=1407

About Janus

Janus Aureus is my recently-inaugurated personal blog (written in portuguese, but with some texts in english as well). Fiore Rouge is my old (but still very active - in fact, more than Janus :P) blog (I started it back in 2005). Mentalize is a fan-made website (since 2005). if you wish to contact me for any reason, visit my blog and leave a comment OR see email above (top left) - no, my name's not Andre - actually, I'm not even a guy! LOL Long story... O Janus Aureus é meu blog pessoal - escrito em português - ainda sem muito conteúdo, pois foi começado no final de dezembro de 2011. Já o Mentalize foi aberto em 2005 e está escrito em várias línguas *rs* Privilegio o uso do inglês ali porque o pessoal estrangeiro não tem muitas informações sobre o AM. Quem quiser entrar em contato comigo por qualquer motivo, deixe um comentário nos meus blogs ou use o email que está aí em cima à esquerda (e não, eu não sou o Andre - aliás, sou mulher!).

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s